segunda-feira, novembro 17, 2008

Heranças

Uma conversa que publiquei no blog dá que pensar, levou-me a escrever este post. Em linguagem acessível, vou tentar explicar como herdamos o tipo de sangue.

Toda a gente possui o seu tipo de sangue. A classsificação mais comum, dos diferentes tipos sanguíneos, baseia-se em duas descobertas de Karl Landsteiner, uma em 1900, (sistema ABO) e outra em 1940 (Factor Rh).

O tipo de sangue é estabelecido antes do nascimento, por genes específicos herdados do pai e da mãe. Em relação ao sistema ABO, os dois genes herdados determinam o tipo de sangue através da produção ou não, de duas proteínas chamadas aglutinogénios A e B, na superfície de cada um dos glóbulos vermelhos.

Existem 3 formas (alelos) do gene que controla o tipo sanguíneo e que, para simplificar, se podem designar por A, B e O. Como nós temos 2 cópias deste gene (uma recebida da mãe e outra do pai), existem 6 possíveis combinações ou genótipos:

AA, AO, BB, BO, AB e OO.

A herança dos alelos é co-dominante, o que significa que, se o alelo está presente, há produção da proteína correspondente. Assim, os genótipos:
  • AA e AO - produzem a proteína A e o sangue é tipo A;
  • BB e BO - produzem a proteína B e o sangue é tipo B;
  • AB - produz as proteínas A e B e o sangue é tipo AB;
  • OO – não produz nenhuma das proteínas e o sangue é tipo O
Além dos aglutinogénios, existem outras proteínas produzidas também a partir da informação dos nossos genes, chamadas aglutininas e que circulam no plasma sanguíneo. Estas aglutininas são proteínas protectoras e são responsáveis por assegurar que apenas existam células sanguíneas do nosso tipo particular de sangue.

Conjugando as duas coisas temos, então, 4 tipos de sangue:

  • tipo A - apenas a proteína A está presente; possui aglutininas anti-B
  • tipo B - apenas a proteína B está presente; possui aglutininas anti-A
  • tipo AB - ambas as proteínas A e B estão presentes; não possui aglutininas
  • tipo O - nenhuma das proteínas está presente; possui aglutininas anti-A e anti-B

A outra classificação mais usada, baseia-se na presença ou não de uma outra proteína chamada de factor Rh (Rh porque foi primeiramente identificada no sangue de macaco Rhesus). Se o factor Rh está presente o sangue é Rh+; se está ausente o sangue é Rh-. A produção ou não deste factor Rh é controlada da mesma forma, pelos alelos que recebemos, um do pai e outro da mãe, de modo que as pessoas com genótipos Rh+Rh+ e Rh+Rh- têm sangue tipo Rh+ e as pessoas com sangue tipo Rh- apenas podem ter o genótipo Rh-Rh-.

Temos então vários tipos de sangue conjugando o sistema ABO e o Factor Rh:

A Rh+, B Rh+, AB Rh+, O Rh+, A Rh-, B Rh-; AB Rh- e O Rh-.

A falta de esclarecimento daquele pai (ver post) levou-o a suspeitar que a filha não era dele.

Já agora, um exercício, partindo do princípio que a filha é mesmo dele (só as análises de DNA podem dar 99,9% de certezas) que genótipos (em relação ao factor Rh) podem ter, ele e a mulher?


Karl Landsteiner naceu em Junho de 1868 em Viena e morreu em Nova York a 26 de Junho de 1943. Foi prémio Nobel da Medicina e Fisiologia em 1930.

2 Comentários:

Blogger BaBy_BoY_sWiM disse...

É sempre bom ter uma aula de biologia molecular! :)

17/11/2008, 17:22:00

 
Blogger Professorinha disse...

Sangue... ahhhhh...

;)

Beijos

24/11/2008, 20:06:00

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial