sexta-feira, setembro 26, 2008

Avós, netos e ... genes!



Tenho observado, nas pessoas minhas conhecidas que como eu já são avós, que existe uma grande diferença no envolvimento com os seus netos, quer a nível comportamental quer a nível emocional.

Haverá alguma explicação para isto? Haverá alguma explicação evolutiva para o facto de alguns avós estarem emocionalmente muito ligados aos seus netos, terem um contacto frequente e investirem muito neles em recursos e outros apresentarem um envolvimento emocional distante, um contacto pouco frequente e um pequeno investimento em recursos?

Vasculhei a minha memória e lembrei-me de já ter estudado o assunto. Está claro que o que vou dizer não explica tudo, mas pode dar alguma pista.

Sabemos que os animais tendem a exibir estratégias comportamentais que favorecem o sucesso reprodutor dos seus parentes, mesmo com custos para a sua própria sobrevivência e/ou reprodução. Equivale a dizer que nós evoluímos de forma a favorecermos as pessoas que nos são geneticamente mais próximas de modo a perpetuarmos os nossos genes, através deles.

Mas, como se propaga um gene? - De duas formas: aumentando a probabilidade do indivíduo que o possui chegar à idade adulta e reproduzir-se; aumentando a capacidade reprodutiva dos familiares mais próximos que também possuem cópias do mesmo gene.

Também se sabe que cada pessoa recebe metade dos seus genes da sua mãe e a outra metade do seu pai. Sendo assim, teoricamente, pais e filhos e irmãos entre si partilham 50% dos genes, avós e netos, tios e sobrinhos partilham 25% e os primos, partilham entre si, 12,5% dos genes.

Se pensarmos no problema adaptativo, enfrentado pelos homens, da incerteza da paternidade, versus 100% de certeza das mulheres acerca da sua maternidade (ver meu post) podemos também estender este raciocínio aos avós, com a agravante de agora termos duas gerações de descendentes. Isto quer dizer que, para os avôs, a incerteza pode duplicar: podem não ser os pais biológicos do seu filho e além disso o seu filho pode não ser o pai biológico do seu neto! No outro extremo temos as avós com 100% de certeza: o neto é filho da sua filha.

Se pensarmos que o envolvimento depende, em certa medida, disto, então podemos considerar uma “escala de envolvimento com os netos”, que apresenta a avó materna num extremo e no outro extremo o avô paterno; a avó paterna e o avô materno preenchem o meio da escala, pois a avó paterna “não tem a certeza” se o seu filho é o pai biológico do seu neto e o avô materno “não tem a certeza” se é o pai da mãe do seu neto!

Complicado?

3 Comentários:

Blogger BIA disse...

Aiaiai...as minhas preocupações quando estou com os meus netos, filhos de filho ou de filha, são sempre se estarão confortáveis, limpos, de barriguinha cheia,felizes e de muito boa saúde... devo ser uma avó desnaturada...quando não estão comigo, por vezes perpassam-me ideias palermas, como por ex: que lhes aconteça algum acidente ou coisa do género...

Será caso que bem no fundo, no sentir mais límbico de avó, ainda bichinho,esse sentimento/instito exista? Não sei, não garanto que sim nem que não...

Abracinho terno


BIA

30/09/2008, 13:22:00

 
Blogger montse disse...

Gracias por tus siempre amables comentarios!!
Un abrazo desde Barcelona.

01/10/2008, 07:40:00

 
Blogger Professorinha disse...

Eu por acaso tive azar com os avós... nenhum deles foi muito de mimar... Bem, nenhum não, o meu avó materno era um amor comigo... Infelizmente morreu cedo...

Beijos

05/10/2008, 19:42:00

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial